Saiba qual o tipo ideal de planta para apartamento e escolha a sua!

As plantinhas não são mais exclusividade de quem mora em casas com quintal. A cada dia, cresce o número de adeptos a elas e surgem novas tendências de plantas para apartamentos, lofts e até mesmo kitnets.

O espaço para a jardinagem em um apartamento é, de fato, muito mais compacto do que em uma casa, porém, esse tipo de feitio não é uma missão impossível. Cultivar plantas nesses ambientes os tornam ainda mais aconchegantes, bonitos e vivos.

Essas belezinhas possuem o poder de deixar o ambiente dos apês mais leve, agradável e purificado, fornecendo aquela ótima recarregada na energia.

Agora que você já sabe que pode deixar o seu apartamento lindíssimo com um mix de conceito natural-urbano, é preciso que você entenda algumas necessidades básicas antes de te apresentarmos as melhores plantas para você!

As plantas precisam de luz (elas se alimentam assim), mas não necessariamente necessitam de sol, então, se a sua sala não é tão bem-iluminada, não se preocupe, desde que tenha luz, é o suficiente!

Algo que você também não pode esquecer é a água. Regar as suas plantinhas algumas vezes é essencial, por isso, precisará de dedicação – mas nada fora do comum, viu – para que elas se desenvolvam e transformem o seu apê num lar aconchegante e convidativo.

Agora que você está munido de informações, podemos te apresentar uma lista das 7 principais plantas que se desenvolvem muito bem em apartamento. É só escolher a que mais combina com você, vamos lá?

7 plantas ideais para você decorar o seu apartamento

 

1. Espada de São Jorge

Essas plantinhas se adequam a qualquer ambiente e crescem conforme a incidência de luz. Elas combinam muito bem com espaços modernos e decorações mais minimalistas. São super fáceis de cuidar e exigem poucas regras. Você pode colocá-las em banheiros, halls de entrada ou naquele cantinho da sala com mínima luminosidade.

2. Jibóias

As jibóias estão super em alta! Elas crescem para baixo e proporcionam um visual bem sofisticado e orgânico. Atente-se para mantê-las em lugares com sombras e temperaturas mais amenas.

Ficam perfeitas nas prateleiras suspensas em quartos ou em escritórios. Elas necessitam de irrigação constante, mas vale a pena o cuidado, especialmente pela exuberância que ela proporciona aos lugares.

3. Cactos

Super em alta, os cactos são os queridinhos, já que se adaptam ao ambiente em que são colocados e possuem um estilo moderno e peculiar. Para aqueles que não possuem tanto tempo disponível ou moram sozinhos, são ideais pois não necessitam de cuidados constantes.

Os formatos mini casam certinho com as janelas, banheiros e cozinha e os grandes complementam perfeitamente a decoração da sala, dando um tom mais conceitual ao ambiente.

Seja como for, essas plantinhas fazem uma linda e delicada integração ao seu jardim vertical que, aliás, se ainda não possui, confira nosso post em que te ensinamos como fazer um!

4. Zamioculca

Essa planta é super compreensiva. Continua bonita e resistente mesmo se você esquecer de cuidar dela! Uma vez por semana é o suficiente para regá-la e o sol não é um aliado para o seu crescimento. Então, aposte nessa opção se você quer uma sala ou um corredor bem decorado e de fácil cuidado.

5. Orquídeas

Se você possui um estilo mais sofisticado, romântico ou deseja acrescentar tons vibrantes e cheios de vida ao seu apartamento, escolha as orquídeas! Elas ficam muito bem nas mesas ou estantes da sala e são regadas tranquilamente conforme a estação do ano.

A beleza, nesse caso, exige alguns cuidados adicionais, como podas e condições climáticas um pouco mais controladas, porém, para os que não abrem mão do mix de cores espetacular que essas plantinhas possuem, não tem porque não investir!

6. Camedorea-elegante

Essa espécie aprecia viver sob meia sombra ou uma luz mais difusa e exige muito pouca manutenção. Mantenha o solo sempre úmido e não a coloque em ambientes com muita corrente de ar. São lindinhas, com certeza deixará o seu apartamento um mimo.

7. Begônia

Fofíssimas, dão um ar meigo ao apartamento. São muito coloridas – rosas, roxas, brancas e outras cores que facilmente levam vida ao seu lar. Elas não precisam de tanta luminosidade e devem ser regadas duas ou três vezes por semana – bem tranquilo, não é mesmo?

Elas ocupam muito pouco espaço, são muito práticas e podem ser colocadas na cozinha (e na janela do cômodo), lavanderia, janelas do quarto etc. Mesmo sendo pequenas, são poderosas e transformam todo o ambiente com harmonia e descontração.

Existe no mercado uma variedade extensa de outras plantas para você decorar o seu apartamento: suculentas, girassóis, violetas e muito, muito mais! E não são só plantas decorativas que você encontra para apartamento não, viu? As hortas também têm sido muito procuradas.

Aos amantes de cozinha, alegrem-se! É completamente possível plantar os temperos indispensáveis para a sua nutrição e de uma forma que ainda sirva como decoração!

Alecrim, orégano, manjericão, salsa e cebolinha se forem plantados em vasinhos artesanais decorativos agregam charme à cozinha e muito sabor na comida! Aposte nessa tendência sem medo.

Estamos chegando ao fim desse post, mas a verdade é que optar por plantas em apartamento não é um luxo só visual, mas sobretudo terapêutico. Esses itens possuem a capacidade de modificar a energia e o humor do ambiente, proporcionando toques de relaxamento, felicidade e bom-humor.

Pensando em garantir o seu bem-estar, fizemos esse texto com muito carinho! Esperamos que tenha gostado!

Depois de garantir a sua planta, deixe aqui nos comentários para gente saber qual foi a sua escolha e compartilhe essa publicação com a sua rede de amigos, para mais gente aderir a esse estilo tão benéfico pro lar.

Continue nos acompanhando para mais dicas exclusivas para decoração de casa e estilo de vida! Até a próxima!

Casa decorada: ideias criativas para todos os cômodos!

Ter uma casa decorada vai muito além de organizar objetos, pintar paredes, mudar móveis de lugar e pendurar quadros na parede. A decoração é uma forma de expressão, de identidade e de transmitir, por meio de objetos e elementos físicos, sentimentos, sensações e good vibes.

Se você é da turma que ama personalizar cada detalhe possível do seu cantinho, saiba que aqui é o lugar certo! O blog da Decohouse é dedicado a inspirar simplicidade e afeto por meio da (de)coração e dos aspectos que envolvem essa forma de arte.

Adicionar toques pessoais nas paredes, sofás, estantes, quartos, salas e afins é, também, um processo de autoconhecimento e autocuidado – afinal, se o nosso lar é a expressão de quem somos, nada melhor que cada pedacinho dele reflita parte da nossa personalidade, nossas preferências e estilo pessoal.

Pode até parecer complicado ou confuso mergulhar no mundo do décor. Mas, saiba que, por meio de ações simples, é possível dar os primeiros passos em direção a esse universo de afetos, beleza e muita originalidade!

Pensando nisso, preparamos algumas dicas essenciais para você começar o projeto de transformação do seu lar, além das melhores ideias para se encantar e suspirar – tudo muito prático, econômico e super estiloso! Ficou curioso(a)? Acompanhe a leitura e saiba mais:

Dicas para decoradores amadores: o que é preciso saber?

Quando a vontade de mudar o visual de casa surge, é quase impossível controlá-la, não é mesmo? Porém, o conselho da Decohouse é: antes de colocar a mão na massa, separe um tempinho para pensar em uma espécie de projeto – um guia para te ajudar a obter o resultado perfeito.

Não precisa ser nada elaborado, um esboço já é o suficiente! A proposta é ter um direcionamento para minimizar as chances de frustrações e resultados inesperados – e acabar tendo que refazer todo o trabalho.

Dúvidas em como se organizar? Olha só o manual de dicas infalíveis que preparamos especialmente para você:

  • Comece aos poucos – a pressa é inimiga da perfeição!

Nossa primeira dica é a mais essencial também: não tenha pressa. Sim, nós sabemos que é muito difícil controlar a ansiedade de querer ver o seu cantinho todo renovado e cada vez mais a sua cara, no entanto, pense que a pressa, nesses momentos, de nada tem a colaborar para o resultado final, pelo contrário!

É importante estabelecer um ritmo gradual e condizente com os seus próprios horários (aos fins de semana, por exemplo). Assim, você terá tempo de avaliar todo o trabalho feito no meio-tempo, repensar a compra de certas peças, trocas as cores etc.

  • Espaço não é um fator limitante

Para quem tem criatividade, espaço (ou a falta dele) não é um fator limitante, embora seja algo que precisa ser considerado, especialmente se a inclusão de móveis fizer parte dos seus planos decorativos.

A funcionalidade é um dos principais fatores a serem considerados quando o assunto é décor. Isso porque é ela que garante o equilíbrio perfeito entre estética e praticidade, entre teoria e prática.

Hoje em dia já existe uma grande variedade de móveis e composições especialmente pensados para ambientes com limitações de espaço – ou seja, boa notícia para quem mora em casa ou AP pequeno!

Se esse é o seu caso, você pode conferir algumas dicas extras no nosso post exclusivo sobre decoração econômica de apartamento pequeno – não deixe de conferi-lo também!

  • Invista no seu jeitinho de ser

Como você já sabe, decoração também é autoexpressão – é trazer à vida detalhes que fazem diferença no seu jeito de ser e, para isso, nada melhor que apostar em elementos para uma composição que é o match perfeito com o seu estilo!

É a junção de todos os elementos que compõem o seu estilo pessoal que fazem toda a diferença e podem ser explorados por meio dos vários estilos de decoração que existem, do clássico ao contemporâneo, do rústico ao juvenil.

Ideais criativas para se inspirar e suspirar!

A teoria é importante, mas nada substitui a prática, certo? Então, hora de colocar a mão na massa! Mas, antes, olha só a seleção de ideias da Decohouse para te inspirar no projeto:

Parede de quadros – mosaico de lembranças e afetos

Que tal construir uma parede de quadros em diferentes tamanhos, criando uma composição em forma de mosaico onde estão exibidas memórias de momentos especiais, retratos de pessoas amadas, frases de inspiração e muito mais?

O segredo desse tipo de decoração é trabalhar com as proporções – como as diferentes peças de um quebra-cabeças que geram um resultado incrível no final! Selecione quadros de tamanhos variados, cores e estilos diferentes (fotos, estampas, frases etc).

Em relação ao ambiente de aplicação, a escolha é muito pessoal. Mas, de forma geral, é possível criar mosaicos em praticamente todos os cômodos do seu lar, exceto as áreas expostas à chuva e intempéries.

Plantinhas – quanto mais verde, melhor!

 

Nós da Decohouse amamos a natureza! O verde, a vida, as paisagens e as sensações que elas transmitem são indescritíveis e, com certeza, também proporcionarão tudo isso ao seu espaço. Ou seja, não há motivos para não investir em pelo menos alguns desses seres cheios de vivacidade e harmonia!

Nossa dica é criar composições mais simples e posicioná-las em locais estratégicos, como em cima da mesa, nos cantos do ambiente ou até mesmo suspendê-las nos tetos com estilosos e modernos suportes em macramê e estantes de plantas.

Em relação ao tipo de plantinha, existem espécies super adaptadas a ambientes domésticos, como suculentas, cactos, jiboias e as famosas samambaias. O ideal é fazer uma pesquisa detalhada para garantir os cuidados adequados à sua companheira de casa.

Decoração geométrica – a tendência da quarentena

Fita adesiva e tinta de parede são os principais ingredientes para criar uma parede decorada com essa tendência que se popularizou durante a quarentena. Trata-se de um procedimento simples, mas cujos resultados são encantadores!

O efeito cria texturas e contrastes de cores que se balanceiam, criando um efeito único e que traz destaque à parede que recebe o acabamento. Em relação às cores, é importante dosar a intensidade e a paleta conforme a vibe do cômodo – geralmente, mais sóbrias nas áreas de convivência.

Porém, vale ressaltar que não há nada de errado em apostar em cores vibrantes e quentes para espaços como a sala ou a cozinha – afinal, estamos falando de personalização, e nada melhor que um lar que reflete a personalidade de seu dono(a).

Iluminação natural – deixe a luz entrar

Você sabia que a iluminação também pode funcionar como um elemento decorativo? E, quando ela entra em jogo, a unanimidade é certa: deixe a luz do sol entrar! Ela é sinônimo de vida e saúde para todos os moradores da casa – humanos, animais e plantinhas.

Sendo assim, privilegie a entrada da luz solar por meio de cortinas claras e de tecido leve – que garantem a privacidade sem que você precise abrir mão das energias vindas do sol. Outra dica é pintar as paredes das áreas mais iluminadas com cores claras, que refletem melhor a luz e mantêm o cômodo fresco e iluminado o dia todo.

Viu só como não é difícil deixar sua casa decorada, estilosa e super original? Você pode continuar explorando essas possibilidades no post “Decoração de casa: dicas para um lar lindo e aconchegante”, aqui mesmo no blog. Acompanhe todas as nossas atualizações para mais dicas de amor e cuidado para o seu cantinho!

Até mais!

Na prática: Tattoo floral no pulso

Tatuagens contam um pouquinho sobre nós e quando bem executadas tornam-se lindas obras de arte.

Gravamos um dia no estúdio para compartilhar com vocês o processo de uma tattoo floral no pulso. Esse estilo de tatuagem tem feito o maior sucesso e é perfeita para quem carrega um estilo cool e despojado. Confiram com a gente como foi o procedimento e contem pra nós o que vocês acharam do resultado!

E não esquece de compartilhar com aquele amigo que que não cansa de ouvir o barulho dessa maquininha! 🖤

Entenda como reduzir o consumo de plástico no dia a dia

Afinal, como reduzir o consumo de plástico? É possível?

Não só é possível, como deve ser feito. Com tanto plástico se acumulando em nosso ambiente – desde o topo das montanhas até o fundo do oceano – é essencial encontrar soluções para a redução dos plásticos.

O nosso planeta grita socorro. Que tal escutar? Criamos um artigo com 7 dicas para reduzir o consumo de plástico diário. Siga a leitura para saber mais! 


7 dicas que explicam como reduzir o consumo de plástico


1. Canudos? Só se for de inox! Os canudinhos de plástico são extremamente danosos ao meio ambiente. Por mais que a vida útil de um canudo de plástico seja de aproximadamente quatro minutos (tempo que uma bebida leva para ser consumida), uma única peça leva até 200 anos para se decompor. Quando um canudinho é descartado, ele desintegra em pequenas partículas, o que faz com que ele vá para os oceanos e acabe sendo consumido pelos animais. É por isso que, nos últimos anos, diversos vídeos de animais com canudos plásticos em seus orifícios se popularizaram nas redes. 


2. Abandone a goma de mascar. O chiclete é produzido a partir de borracha sintética, também conhecida como plástico. Nós apostamos que você não sabia dessa informação! 


3. Ao comprar sabão para lavar roupas, opte pela versão em pó, que vem em caixas de papelão. Em geral, o papelão é mais fácil de reciclar do que o plástico.


4. Tenha uma ecobag! Uma das maneiras mais simples e econômicas de diminuir o consumo de plástico é a utilização de sacolas ecológicas ou ecobags. Existem inúmeros modelos super criativos disponíveis por aí, enjoy!


5. Ao comprar alimentos como cereais prefira as opções a granel e encha um recipiente reutilizável (você pode comprar potinhos de vidro e levar junto com você dentro da ecobag). Você economiza dinheiro – as opções em granel são muito mais baratas – e também embalagens plásticas desnecessárias.


6. Evite comprar alimentos congelados, pois além de fazerem muito mal à saúde, as embalagens são feitas principalmente de plástico – mesmo aquelas que parecem papelão são revestidas com uma fina camada de plástico.


7. Faça o seu próprio suco natural ou coma frutas ao invés de comprar suco em garrafas plásticas. É mais saudável e melhor para o meio ambiente.


E aí, vamos reduzir o consumo de plástico na rotina? Envie este artigo para aquele amigo que precisa saber mais sobre o assunto!


Trilha de bike: sozinho ou em grupo? Entenda a melhor opção

Não há nada mais libertador do que realizar uma trilha de bike. Sentir o vento no rosto, se desafiar em locais diferentes do convencional. Só quem já se aventurou sabe do que estamos falando!


Porque você deveria realizar uma trilha de bike


Quase todos nós aprendemos a andar de bike quando crianças. Desta forma, não é raro encontrarmos adultos que ainda lembram com carinho de sua primeira bicicleta e dos dias ensolarados em que pedalaram.


Que tal relembrar esses momentos através de uma trilha em meio a natureza? Andar de bicicleta faz bem ao corpo e a mente! Abaixo, seguem alguns dos motivos pelos quais você deveria realizar uma trilha de bike.

1) É muito bom para o seu coração

Pesquisas demonstram que 20 quilômetros de pedal por semana podem reduzir o risco de doenças cardíacas em até 50%. 

2) Melhora o seu sistema imunológico

Pedalar é um exercício que traz melhorias ao sistema imunológico, ocasionando a diminuição de infecções, gripes e resfriados. O nosso organismo funciona de forma mais eficiente quando estamos mais ativos.

3) Tenha um tempo de qualidade

Fazer uma trilha de bike é sinônimo de relaxar. Mesmo que alguns percursos sejam mais complexos, sua mente terá o descanso que precisa em meio a rotina corrida, aliviando todo o estresse que possa existir dentro de você. 


Devo fazer uma trilha de bike sozinho ou em grupo?


Para muitas pessoas, fazer uma trilha de bike em grupo é a opção ideal. Pedalar com outras pessoas é interessante pois você não está apenas pedalando com outros ciclistas, mas também dividindo experiências, auxiliando uns aos outros e vencer obstáculos e participando de uma atmosfera amigável de competição. 


No entanto, se você quiser fugir do convencional, experimente fazer uma trilha de bike sozinho. Nós sabemos que todos precisam de um pouco de espaço e, às vezes, tudo o que queremos é trilhar o nosso local favorito e pedalar por conta própria. Fazer uma trilha de bike sozinho vai ajudar você a ter mais foco na estrada e a melhorar as suas habilidades.

Quer tirar uma foto daquela vista linda? Simplesmente está cansado ​​demais para continuar o percurso? Essas questões são mais tranquilas quando você pedala by yourself.


Além disso, andar de bike sozinho é uma ótima maneira de clarear a mente sem nenhuma distração. Como citado anteriormente, as trilhas de bike em grupo são ótimas para socializar, no entanto, o bate-papo constante pode ser um fator que prejudica a pedalada.

Mas atente-se: qualquer tipo de passeio que você faça sozinho para um local mais retirado, e preciso de alguns cuidados básicos, como:

  • Antes de perder o sinal do celular, compartilhar a sua localização com algum amigo ou familiar
  • Leve água e outros itens que você possa precisar durante a trilha
  • Não esqueça de lanterna: se o pior acontecer e você se perder, pelo menos terá uma ajuda em mãos!
  • Bateria extra nunca é demais. Carregue junto com você para evitar ficar sem bateria em situações como essas!

Então, gostou das nossas dicas? Se você tiver uma sugestão de local para realizar uma trilha de bike, escreva nos comentários! 

Porque você deveria considerar o transporte alternativo em sua rotina

Nos últimos anos, o transporte alternativo ganhou destaque nos noticiários – a começar pelo patinete elétrico, que virou febre entre diversas capitais do mundo. O veículo deu espaço para a disseminação do uso de bicicletas compartilhadas, aplicativos de carona e diversos outros tipos de transportes para distâncias curtas, acompanhando a tendência de micromobilidade.


Neste artigo, você entenderá como o transporte alternativo pode fazer diferença na sua vida e na sociedade como um todo.

Siga a leitura para saber mais! 


Entendendo a micromobilidade e os benefícios do transporte alternativo


Se você nunca ouviu a palavra micromobilidade, não se surpreenda: muito recente, ela foi cunhada em 2017 por Horace Dediu, fundador e autor da Asymco e co-apresentador dos podcasts Micromobilidade e Caminho Crítico no 5by5.tv.

Veículos que estão inseridos no conceito de micromobilidade possuem algumas características específicas, como por exemplo a presença de motor elétrico, leveza (devem pesar menos de 500kg) e, além disso, precisam possuir como única finalidade o meio de transporte para pequenas distâncias.

Mas, afinal, por quais motivos o conceito de micromobilidade ganhou tanto destaque nos últimos dois anos?

É cada vez maior o número de jovens que não possuem carteira de habilitação. De acordo com um relatório realizado pelo Federal Highway Administration, enquanto em 1998 o percentual de motoristas entre 16 e 19 anos era de 64,4%, em 2008 apenas 46,3% dos jovens com a mesma idade tinham carteira de motorista. 

São diversos os fatores que incentivam essa redução, como por exemplo a diminuição do poder de compra dos jovens e de seus respectivos familiares. No entanto, uma questão muito importante que devemos considerar, é justamente a preocupação dos Millennials (pessoas nascidas entre 1980 a 1994) com as causas ambientais


Em grandes cidades, as estradas encontram-se cada vez mais abarrotadas de carros particulares. Em consequência a isso, a qualidade do ar é comprometida, gerando impactos severos ao planeta como um todo. 

Agir de forma local é uma das principais maneiras de transformar a realidade em que estamos inseridos. Sendo assim, a micromobilidade ganhou destaque, mostrando a todos nós relevância de realizar pequenas mudanças em nossas rotinas. 


Entenda os principais tipos de transporte alternativo e os seus benefícios na mobilidade urbana


Em conjunto com a disseminação do conceito de micromobilidade, diferentes tipos de veículos alternativos passaram a ganhar destaque nas grandes cidades. A velha e boa bicicleta recebeu upgrades, se adaptando a vida moderna e ganhando uma versão dobrável, que permite o seu transporte dentro de metrôs, por exemplo.

O patinete elétrico, no entanto, foi o grande destaque deste final de década. Capitais como Paris, Nova Iorque e São Paulo viraram referência na utilização do equipamento. Ele também foi alvo de críticas devido a ocorrência de acidentes e, por isso, recomendamos a sua utilização de forma adequada: dentro do limite de velocidade permitido (20 km nas ciclovias ou ciclofaixas e 6km nas calçadas) e com o uso de capacete. 


Não podemos esquecer de veículos (sim, veículos!) como o skate e o longboard. Eles são extremamente úteis para percorrer pequenas distâncias e ideais para quem precisa utilizar metrô ou ônibus em conjunto. 


Se você mora em uma cidade relativamente pequena, a bicicleta pode ser uma opção interessante de transporte alternativo. Já em cidades grandes, equipamentos menores podem ser mais práticos, pois permitem o seu carregamento em ônibus, trens, metrôs ou aplicativos de carona. 


Importante salientar que caso nenhuma dessas opções seja uma possibilidade para você, é possível, então, compartilhar carona com a família, amigos ou colegas de trabalho. Assim ajudamos o nosso planeta liberando o fluxo de veículos.

Utilize aquele transporte que te faça bem, mas nunca se esqueça que as suas ações impactam não somente a  sociedade como um todo, mas o meio ambiente em que vivemos e também a sua saúde física. Pensar global, agir local

E você, já utiliza algum tipo de transporte alternativo? Comente!